• Grupo Reviver

AMARN firma convênio com grupo Reviver

A AMARN firmou convênio na tarde desta quinta-feira, 18, com o grupo Reviver, uma organização da sociedade civil de interesse público. Participaram da assinatura do convênio a presidente da AMARN juíza Hadja Rayanne Alencar, a presidente do Reviver Ana Teresa Fiúza da Mota, as fundadoras do grupo Idaísa Fernandes e Tásia Simonetti e ainda a juíza membro do Reviver Mirtes Leandro Cabral Bezerra e os juiz e fundador do Setembro Cidadão Jarbas Bezerra.

O evento foi realizado na sede da AMARN e o objetivo foi divulgar a importância do Reviver e estimular a doação por parte dos magistrados de uma quantia mensal, a partir de 20 Reais, com desconto no salário pelo tempo desejado. O dinheiro será usado para a compra de uma unidade móvel com gabinete médico, mamógrafo e ultrassom, que irá percorrer bairros de Natal e municípios do estado.

O juiz Jarbas Bezerra foi o primeiro contribuinte, seguido da presidente da AMARN e a juíza Mirtes Leandro Cabral Bezerra. “Essa questão do câncer e cidadania tem tudo a ver com o momento que estamos vivendo. Independente do sexo, o câncer não tem preconceito”, afirmou o juiz Jarbas Bezerra.

O grupo Reviver existe há dois anos e vem se destacando como importante apoio para as pessoas carentes vítimas de câncer, que precisam de atendimento médico e assistência ambulatorial. “Acho muito importante essa assinatura do convênio com a AMARN, porque ajuda na divulgação das nossas ações, como a realização de caravanas da saúde pelo interior, trabalhando a questão da prevenção do câncer”, disse a presidente do Reviver Ana Teresa Fiúza da Motta.

A presidente da AMARN destacou a importância da celebração do convênio. “Para a AMARN é uma satisfação poder prestar uma contribuição num tema tão relevante, como a prevenção do câncer de mama”.

Para a juíza Mirtes Leandro Cabral Bezerra, que é membro do Reviver, esse convênio tem um significado especial. “Estou extremamente orgulhosa da AMARN ter abraçado essa causa tão nobre. Estou muito feliz como juíza, como mulher, como associada, em todos os aspectos”, concluiu.

Adalgisa Emídia Assessoria de Imprensa/AMARN

0 visualização0 comentário